O fenômeno La Niña

a menina produz chuva forte

O fenômeno El Niño é ouvido em quase todo o mundo devido ao seu impacto no clima mundial. No entanto, o que é e como funciona não é bem conhecido. Pelo contrário, também há um fenômeno oposto ao El Niño conhecido como La Niña.

La Niña também produz mudanças importantes no clima do planeta e suas repercussões são bastante importantes. Portanto, vamos falar sobre esse fenômeno em profundidade. Quer saber tudo sobre o fenômeno La Niña?

Fenômeno El Niño

Fenômeno El Niño

Para obter uma boa compreensão do fenômeno La Niña, devemos primeiro ter uma boa compreensão de como funciona o El Niño. Primeiro, por que eles chamam de fenômeno e por que El Niño? Um fenômeno nas ciências naturais não é algo extraordinário, mas qualquer manifestação física que pode ser observada após observação direta ou medição indireta. Portanto, El Niño e a chuva eles são fenômenos meteorológicos.

O nome de El Niño foi dado pelos pescadores da cidade de Paita, no norte do Peru, em referência ao menino Jesus, já que esse fenômeno apareceu na época do Natal.

O que é o fenômeno El Niño? Bem, o comportamento normal dos ventos alísios no Pacífico é que eles sopram de leste a oeste. Esses ventos empurram as águas das costas da América do Sul e as levam para a Oceania e a Ásia. Toda essa água quente acumulada gera chuva e um clima tropical nessas áreas. O que acontece na América do Sul é que toda a água quente que se move é substituída pela água fria que emerge das profundezas em direção à superfície. Este fluxo de água fria é chamado Corrente de Humboldt.

Esta situação de água quente no oeste e água fria no leste cria uma diferença de temperatura em todo o Oceano Pacífico, nos dando um clima tropical na Oceania e parte da Ásia. Enquanto isso, o vento forte na atmosfera move-se na direção oposta, o que resulta em um sistema de circulação de ar que empurra constantemente as águas quentes para o oeste. Esta é a situação normal no Oceano Pacífico e no clima.

Mas o fenômeno El Niño, que ocorre regularmente em ciclos de três a cinco anos, muda toda essa dinâmica. Esse fenômeno começa causando uma queda nos ventos alísios, fazendo com que toda a água quente armazenada na Oceania se mova para a América do Sul. Quando essa água atinge a costa, essas águas evaporam e produzem chuvas pesadas incomuns, enquanto o clima do outro lado do Pacífico fica seco, causando severas secas.

Fenômeno La Niña

o fenômeno da menina é contrário ao do menino

Você já conhece o funcionamento normal das correntes oceânicas e dos ventos alísios do Oceano Pacífico. Bem, agora será mais fácil para você entender o que é o fenômeno La Niña.

O nome La Niña foi escolhido por ser o oposto do Menino, embora não faça muito sentido, pois se trata do Menino Jesus. Quando esse fenômeno ocorre, Os ventos alísios sopram com uma força maior do que o normal, o que faz com que muito mais água quente seja armazenada nas costas da Oceania e da Ásia. Quando isso acontece, ocorrem chuvas extremas nesses locais, mas há uma forte seca na América do Sul.

Esses dois fenômenos produzem escassez de peixes e desastres naturais.

Consequências do fenômeno La Niña

a garota causa seca no peru

O fenômeno La Niña costuma durar meses e as consequências que acarreta são as seguintes:

  • A pressão ao nível do mar diminui na região da Oceania, e um aumento da mesma no Pacífico tropical e subtropical ao longo das costas da América do Sul e América Central; o que provoca o aumento da diferença de pressão que existe entre as duas extremidades do Pacífico equatorial.
  • Os ventos de amieiro se intensificam, fazendo com que as águas profundas relativamente mais frias ao longo do Pacífico equatorial permaneçam na superfície.
  • Os ventos alísios anormalmente fortes exercem um maior efeito de arrasto na superfície do oceano, aumentando a diferença no nível do mar entre as duas extremidades do Pacífico equatorial. Com ele nível do mar diminui nas costas da Colômbia, Equador, Peru e norte do Chile e aumenta na Oceania.
  • Como resultado do aparecimento de águas relativamente frias ao longo do Equador, a temperatura da superfície do mar diminui abaixo do valor climatológico médio. Isso constitui a evidência mais direta da presença do fenômeno La Niña. No entanto, as anomalias térmicas negativas máximas são menores do que as registradas durante o El Niño.
  • Durante os eventos La Niña, as águas quentes do Pacífico equatorial se concentram na região próxima à Oceania e é nesta região que se desenvolve. correntes frias para a menina.
  • As chuvas estão aumentando no sudeste da Ásia, partes da África, Brasil e Austrália, onde as inundações se tornariam comuns.
  • A frequência de tempestades tropicais e furacões nos Estados Unidos está aumentando.
  • Queda de neve que pode ser histórica em algumas partes dos EUA.
  • Grandes secas no oeste das Américas, no Golfo do México e no nordeste da África. A temperatura nesses locais pode ser um pouco mais baixa do que o normal.
  • No caso da Espanha e da Europa em geral, as chuvas podem aumentar significativamente.

Fases do fenômeno La Niña

correntes frias para a menina

Esse fenômeno não acontece assim de um momento para o outro, mas para se manifestar por completo, passa por várias fases.

A primeira fase consiste em o fenômeno El Niño começa a enfraquecer. Normalmente, esses dois fenômenos são cíclicos, então, após um, o outro começa. Quando os ventos alísios que cessaram começam a soprar novamente e a corrente de ar se estabiliza normalmente, o La Niña pode começar a seguir se a velocidade dos ventos alísios começar a ser anormalmente alta.

La Niña é conhecido por começar a ocorrer quando os ventos alísios sopram mais fortes e a zona de convergência intertropical se move para o norte de sua posição anterior. Além disso, a zona de convecção no Pacífico aumenta.

Os cientistas identificam que o La Niña está se desenvolvendo quando ocorre:

  • Um enfraquecimento da corrente contra o equadorEle, fazendo com que as águas mornas procedentes das costas asiáticas, afetem pouco as águas do Pacífico da América.
  • Alargamento dos afloramentos marinhos, que ocorre como consequência da intensificação dos ventos alísios. Os afloramentos ocorrem quando uma grande quantidade de água superficial é substituída por água fria em profundidade e todos os nutrientes que estavam sob as camadas mais superficiais aumentam. Com excesso de nutrientes, os organismos e peixes que ali vivem proliferam e é muito positivo para a pesca.
  • O fortalecimento da corrente equatorial meridional, especialmente próximo ao equador, arrastando águas frias que diminuem as temperaturas do Pacífico tropical oriental e central.
  • Uma maior proximidade da termoclina (região onde ocorre uma rápida diminuição da temperatura) com a superfície do mar no Pacífico tropical, o que favorece a permanência de espécies marinhas que encontram seu alimento por longos períodos.

A última fase ocorre quando os ventos alísios começam a perder força e sopram com a força que normalmente fazem.

Quais são os ciclos do fenômeno La Niña?

consequências da criança

Quando o La Niña acontece, geralmente dura entre 9 meses e 3 anos, dependendo de sua intensidade. Normalmente, quanto mais curta sua duração, mais intensos são os efeitos que produz. Os impactos mais graves e prejudiciais são mostrados durante os primeiros 6 meses.

Geralmente começa no meio do ano, atinge sua intensidade máxima no final do ano e se dissipa no meio do ano seguinte. Ocorre com menos frequência do que o El Niño. Geralmente ocorre entre períodos de 3 a 7 anos.

Podemos parar esses fenômenos?

A resposta é não. Se quiséssemos controlar a presença ou intensidade de ambos os fenômenos, deveríamos ser capazes de controlar as temperaturas do Oceano Pacífico. Devido à quantidade de água neste oceano, devemos usar toda a energia gerada em a explosão de 400.000 bombas de hidrogênio de 20 megatons cada um para poder aquecer a água. Assim que pudéssemos fazer isso, poderíamos aquecer a água do Pacífico à vontade, embora tivéssemos que resfriá-la novamente.

Portanto, até que seja encontrada uma forma de controlar esses fenômenos, só podemos prevenir, estar muito atentos à presença desses fenômenos a fim de criar políticas de ação e redução de impactos e, sobretudo, prestar ajuda às vítimas.

Ainda não se sabe cientificamente por que esses fenômenos ocorrem, mas sabe-se que estão ocorrendo com mais frequência devido às mudanças climáticas. O aumento das temperaturas globais está desestabilizando a presença desses fenômenos e a circulação das massas de água.

Com essas informações tenho certeza que toda vez que você ouve o nome de ambos os fenômenos, com certeza sabe o que é.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

2 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   axel dito

    É interessante

  2.   Samantha dito

    A verdade é que isso está incompleto, tem efeitos, mas não causa, me deixou insatisfeito com o resultado.