Limites das placas tectônicas: tipos e diferenças

limites das placas tectônicas

As placas tectônicas são peças grandes e rígidas da litosfera terrestre responsáveis ​​pelo movimento e configuração da superfície do nosso planeta. A crosta terrestre contém imensas formações rochosas conhecidas como placas tectônicas, que são segmentadas em múltiplas seções e sofrem movimentos graduais devido principalmente ao calor interno do planeta. Existem diferentes tipos de bordas das placas tectônicas.

Neste artigo vamos contar quais são as diferentes bordas das placas tectônicas e suas características.

Estrutura e movimento das placas tectônicas

Limite da placa

Córtex

A composição da Terra pode ser dividida em diferentes camadas. A estrutura interna da Terra compreende três camadas concêntricas, cada uma com composição e dinâmica únicas. Essas camadas incluem o núcleo, o manto e a crosta. A crosta, que forma as placas tectônicas, É fragmentado e varia em espessura e características de superfície.

O movimento das placas tectônicas através das gerações. O estudo das ondas sísmicas, especificamente da refração e reflexão sísmica, tem fornecido informações valiosas sobre a composição do interior da Terra, revelando a existência de três zonas ou camadas distintas, uma das quais é a crosta terrestre.

A composição e espessura deste tipo de rocha varia consoante se encontre em regiões oceânicas ou continentais. É formado pela diferenciação do manto, resultante da fusão parcial. A crosta oceânica varia em espessura, entre 7 e 25 km, e é formada predominantemente por rochas basálticas. Por outro lado, a crosta continental é mais espessa, medindo entre 30 e 70 km, e é composta principalmente por rochas andesíticas.

Manto

Representa aproximadamente 85% do volume da Terra e se estende desde o Moho até a fronteira entre o manto e o núcleo, com profundidade de aproximadamente 2.891 km.

A transferência de calor do núcleo interno do planeta para a crosta é facilitada pelo seu papel como condutor de calor. Esse fenômeno, denominado correntes de convecção, é o que impulsiona o movimento das placas tectônicas.

Núcleo

Confirmação de um campo magnético gerado por elementos pesados ​​como ferro, níquel, vanádio e cobalto através da interação com o calor interno é sustentado por seu raio médio de 3481 km. A principal origem deste calor pode ser atribuída a duas fontes principais.

Existem duas fontes principais de calor na Terra: o calor inicial gerado pelos impactos planetesimais e a liberação de energia gravitacional durante a formação do planeta, e o calor produzido pela decomposição radioativa de elementos como urânio, tório e potássio. Além disso, o movimento das placas na astenosfera também contribui para a distribuição geral do calor na Terra.

Interações entre placas

bordas da placa

As interações entre as placas litosféricas que constituem a superfície mais externa da Terra resultam em uma série de fenômenos geológicos como atividade vulcânica deformações da crosta terrestre, eventos sísmicos e processos sedimentares.

O movimento das placas é causado principalmente pelo calor interno gerado na litosfera. Existem vários fatores-chave que contribuem para esse fenômeno. A litosfera sofre pressão da astenosfera ascendente, conhecida como impulso da crista, enquanto o afundamento da antiga litosfera oceânica exerce uma força chamada tração da placa. A importância destas forças reside no seu impacto na taxa de migração das placas e a proporção correspondente da margem da placa conectada à zona de subducção.

O processo de sucção da placa envolve o recuo da litosfera subductada, enquanto a força oposta é exercida pelo arrasto viscoso na astenosfera. Com o tempo, extensos estudos contribuíram para o desenvolvimento e compreensão da teoria das placas tectônicas.

Teoria das placas tectônicas

A teoria das placas tectônicas combina o conceito de deriva continental com o processo de expansão do fundo do mar, criando uma compreensão abrangente dos fenômenos geológicos da Terra. O movimento das placas terrestres é facilitado pela expansão da crosta oceânica ou continental que cobre a litosfera, o que lhes permite mover-se pela superfície do planeta.

As placas tectônicas da Terra são grandes seções da crosta do planeta que se movem e interagem entre si. A expansão do fundo do mar é o resultado da convecção no manto, levando à formação da crosta oceânica nas dorsais meso-oceânicas. Com o passar do tempo, essa crosta se afasta gradualmente da crista. Com o tempo, a crosta pode submergir e sofrer destruição à medida que converge com outra placa tectônica.

A maioria dos terremotos altamente destrutivos que ocorrem na Terra, com escala Richter mais alta, podem ser atribuídos ao movimento das placas tectônicas.

Limites das placas tectônicas

subducção de placas

A Teoria das Placas Tectônicas categoriza diferentes tipos de limites de placas dentro de seu esquema. As consequências observáveis ​​das forças tectónicas são mais pronunciadas nas estreitas zonas de contacto, conhecidas como limites das placas, onde ocorre o movimento. Diferentes tipos de limites de placas incluem limites de placas divergentes.

Limites convergentes, também conhecidos como limites destrutivos, são aqueles onde as placas colidem e interagem entre si. Essas fronteiras podem ser classificadas em três tipos: oceânico-continental, oceânico-oceânico e continental-continental. Na convergência oceânico-continental, a placa oceânica mais densa subduz sob a placa continental menos densa, formando uma trincheira e causando atividade vulcânica. Este processo leva à criação de cadeias de montanhas, como a dos Andes. A convergência oceânico-oceânica ocorre quando duas placas oceânicas colidem, resultando na formação de ilhas vulcânicas, como o Japão e as Filipinas.

Por fim, a convergência continental-continental ocorre quando duas placas continentais colidem, causando intensa deformação e formação de cadeias de montanhas, como o Himalaia. A colisão entre as placas indiana e euroasiática deu origem à majestosa cordilheira do Himalaia. Esses limites convergentes são dinâmicos e moldam constantemente a superfície da Terra durante milhões de anos.

Limites destrutivos, também conhecidos como limites convergentes, ocorrem quando a crosta sofre destruição à medida que uma placa subduz sob a outra. Este processo envolve a reciclagem da crosta, à medida que as placas se juntam e uma afunda abaixo da outra. A área onde ocorre a subducção das placas é chamada de trincheira. A convergência pode ocorrer entre uma placa oceânica e uma placa continental, duas placas oceânicas ou duas placas continentais.

Quando duas placas oceânicas se unem em um processo conhecido como convergência oceânico-oceânica, uma placa normalmente subduz por baixo da outra, resultando na formação de uma trincheira. Um exemplo disso pode ser visto na Fossa das Marianas, que corre paralela às Ilhas Marianas.

Os limites conservadores, também conhecidos como limites de transformação, Ocorrem quando a crosta terrestre sofre um deslizamento horizontal entre as placas sem qualquer criação ou destruição. A região Mediterrâneo-Alpina, situada entre as placas euroasiática e africana, constitui um excelente exemplo deste fenómeno. Vários fragmentos menores de placas, conhecidos como microplacas, foram identificados nesta região.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre as bordas das placas tectônicas e suas características.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.