Tempestades no Atlântico

aumento das tempestades no atlântico

Devido às mudanças climáticas e ao aumento das temperaturas médias globais estamos tendo diferentes mudanças nos padrões atmosféricos e oceânicos. Neste caso, o Oceano Atlântico está a alertar para as mudanças que está a sofrer devido às alterações climáticas. As tempestades no Atlântico eles estão aumentando e com eles a formação de furacões e ventos com força de furacão.

Neste artigo, vamos dizer quais são a causa do aumento das tempestades no Atlântico e quais são as consequências das mudanças climáticas em um Oceano Atlântico cada vez mais tropicalizado.

Tempestades no Atlântico

tempestades no atlântico

O Oceano Atlântico está avisando. Este é um resumo das mudanças na dinâmica atmosférica observadas nos últimos anos que afetam o norte da Macaronésia, uma área que inclui os Açores, Canárias, Madeira e ilhas desertas, e o sudoeste da Península Ibérica. Tudo aponta para o clima da região se tornar tropical.

Desde a chegada histórica em 2005 da tempestade tropical Delta às Ilhas Canárias, o número de ciclones tropicais que passam por estas regiões aumentou significativamente nos últimos 15 anos. Esses ciclones são áreas de clima severo de baixa pressão e não apresentam o comportamento típico de tempestades de latitude média ou ciclones extratropicais a que estamos acostumados nesta parte do planeta. Em vez disso, eles exibem características mais semelhantes aos típicos ciclones tropicais que normalmente afetam o Caribe do outro lado do Atlântico.

De fato, esses fenômenos se assemelham cada vez mais a ciclones tropicais em estrutura e natureza. Tanto que o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos aumentou a pesquisa e o monitoramento de nossa bacia hidrográfica nos últimos anos, e nomeou um grupo não negligenciável desses fenômenos.

Aumento das tempestades no Atlântico

ciclone no atlântico sul

A anomalia mencionada acima aumentou nos últimos cinco anos. Temos alguns exemplos notáveis:

  • Furacão Alex (2016) Ocorreu no sul dos Açores, a cerca de 1.000 km das Ilhas Canárias. Com ventos máximos sustentados de 140 quilômetros por hora, atinge o status de furacão e navega de forma incomum pelo Atlântico Norte. Tornou-se o primeiro furacão a se formar em janeiro desde 1938.
  • Furacão Ofélia (2017), o primeiro furacão de categoria 3 Saffir-Simpson no Atlântico oriental desde o início dos registros (1851). Ophelia alcançou ventos máximos sustentados de mais de 170 quilômetros por hora.
  • Furacão Leslie (2018), o primeiro furacão a chegar tão perto da costa peninsular (100 km). Atingiu Portugal ao amanhecer com ventos de até 190 quilômetros por hora.
  • Furacão Pablo (2019), o furacão mais próximo já formado na Europa.
  • Como sua última maré alta, a tempestade tropical Theta ameaçou as Ilhas Canárias, a apenas 300 quilômetros de afetar totalmente as ilhas.

Além desses casos, há uma longa lista que os acompanha, pois são extremamente anômalos e afetam as áreas mencionadas. Desta forma, a frequência aumentou para uma vez por ano nos últimos cinco anos, e até mais de uma vez nos últimos dois anos. Antes de 2005, a frequência era de um a cada três ou quatro anos, sem representar um perigo significativo de impacto.

Anomalias na temporada 2020

ciclones tropicais

Essa raridade é consistente com o que acontece durante a temporada de furacões de junho a novembro deste ano. As previsões já apontam para uma temporada muito ativa culminando em 30 ciclones, um verdadeiro recorde. Isso significa nomeá-los usando o alfabeto grego, além da temporada histórica de 2005.

Por outro lado, a temporada também é caracterizada por grandes furacões ativos de categoria 3 ou superior. De fato, junta-se às primeiras quatro temporadas pela primeira vez desde o início dos registros (1851) que pelo menos um furacão de categoria 5 se formou em cinco temporadas consecutivas. Este último é muito consistente com as projeções de mudanças climáticas, os furacões mais intensos são proporcionalmente mais fortes e mais frequentes.

Estudos de mudança climática

Deve-se ter em mente que o aumento das tempestades no Atlântico e a tropicalização desta parte do mundo têm a ver com os efeitos das mudanças climáticas. A resposta é sim, mas são necessárias mais pesquisas.. Por um lado, temos que conhecer a relação com os eventos observados, e em Espanha ainda não temos capacidade técnica para realizar este tipo de estudos de atribuição operacional que se realizam noutros países. O que podemos estabelecer é uma relação baseada em estudos de projeções de cenários climáticos futuros que assumem que esses fenômenos ocorrem com mais frequência em nossas bacias.

É aqui que podemos construir relacionamentos, embora sejam necessárias mais pesquisas para identificar e refinar ainda mais as especificidades desses eventos futuros, a fim de melhorar o planejamento de adaptação às mudanças climáticas previstas. Embora seja verdade que é possível que nunca atinge intensidades mais altas, como categoria 3 ou superiorOs furacões e as pequenas tempestades tropicais também são motivo de particular preocupação devido ao seu grande impacto na costa dos Estados Unidos e deve-se acrescentar que na Espanha não estávamos totalmente preparados para isso.

Outra característica a ser considerada é que apresentam maior incerteza em suas previsões. Ao contrário dos trópicos, onde as trilhas de ciclones são influenciadas por fatores mais previsíveis, à medida que esses ciclones começam a se aproximar de nossas latitudes médias, eles passam a ser influenciados por fatores menos previsíveis, com consequente aumento da incerteza. Outro aspecto importante é o potencial de maior impacto quando começam a evoluir para tempestades de latitude média, uma transição conhecida como transição extratropical, que pode fazer com que eles expandam seu alcance.

Por último, importa também ter em conta a possível incerteza nas tendências inerentes ao fenómeno de que estamos a falar. Embora todas essas mudanças sejam sempre consideradas em referência aos registros históricos de 1851, é de fato a partir de 1966 que esses registros podem ser considerados realmente tão sólidos e comparáveis ​​como os da nossa era atual, porque esse é o começo do que é possível. Observe-os com satélites. Portanto, isso deve sempre ser lembrado ao analisar as tendências observadas em ciclones e furacões tropicais.

Espero que com esta informação você possa aprender mais sobre as causas do aumento das tempestades no Atlântico.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.