O que o telescópio James Webb alcançou

james web

Quase dois anos se passaram desde o importante lançamento do Telescópio Espacial James Webb, um instrumento notável que tem a notável capacidade de capturar imagens do cosmos com uma clareza incomparável. Esta tecnologia inovadora é inestimável para cientistas e astrónomos, fornecendo dados inestimáveis. Distinguindo-se dos telescópios terrestres convencionais, o telescópio Webb transcende as limitações impostas pela atração gravitacional, pelo campo magnético e pela atmosfera da Terra. Além disso, ao contrário do seu antecessor, o telescópio Hubble, o Webb não orbita o nosso planeta. Em vez disso, mantém uma posição estável a 1,5 milhões de quilómetros de distância, entre a Terra e o Sol.

Neste artigo vamos contar o que o Telescópio Espacial James Webb conseguiu capturar e algumas de suas façanhas.

O que o Telescópio Espacial James Webb conseguiu capturar

galáxias

Em Baltimore, as imagens obtidas pelo Telescópio Espacial James Webb são processadas para eliminar quaisquer fatores que possam atrapalhar os objetivos científicos. Para tornar essas imagens atraentes e de fácil compreensão para o público em geral, é aplicada uma pequena quantidade de aprimoramento de cor, aproximadamente 5%.

Como um exemplo, A galáxia fantasma, também conhecida como M74, é fotografada em monocromático usando quatro filtros diferentes no instrumento MIRI do Telescópio Webb. Ao chegar ao centro de operações em Baltimore, essas imagens passam por um processamento meticuloso para remover quaisquer imperfeições ou artefatos causados ​​pelo instrumento, resultando em imagens cristalinas que os cientistas podem usar diretamente em suas pesquisas.

Já há algum tempo, os cientistas estão cientes da existência de buracos negros menores nos estágios iniciais do universo; No entanto, foi somente através das observações de Webb que eles finalmente conseguiram detectá-los definitivamente.

Ao capturar espectros de objetos celestes como planetas, estrelas e galáxias, o telescópio permite uma compreensão abrangente da sua composição. O espectrógrafo Webb desempenha um papel crucial neste processo, separando a luz infravermelha em vários componentes., revelando assim um espectro que revela a existência de vários elementos químicos e moléculas.

Usando análise espectral, os astrônomos identificaram com sucesso a presença de dióxido de enxofre, sódio, potássio, vapor de água, dióxido de carbono e monóxido de carbono no exoplaneta WASP-39 b. Esta técnica também nos permite observar objetos celestes obscurecidos por poeira e gás, expandindo assim significativamente a nossa visão do cosmos.

Profundidades do buraco negro

telescópio james webb

A publicação pela NASA da imagem da galáxia CEERS 1019 e seu buraco negro supermassivo, capturada pelo Telescópio James Webb em 6 de julho de 2023, atraiu atenção significativa da comunidade científica e astronômica. Esta imagem notável revela o buraco negro supermassivo ativo mais remoto já identificado, localizado dentro de uma galáxia que nasceu pouco mais de 570 milhões de anos após o Big Bang. O que diferencia este buraco negro é a sua massa relativamente modesta, pesando cerca de nove milhões de massas solares, que é consideravelmente menor em comparação com a maioria dos buracos negros supermassivos do Universo primitivo, que normalmente ultrapassam mil milhões de vezes a massa do nosso Sol.

A presença de um buraco negro no CEERS 1019, apesar do seu tamanho relativamente menor, desencadeou investigações sobre a sua formação durante as fases iniciais do Universo. Os cientistas estavam cientes da probabilidade de existirem buracos negros mais pequenos no cosmos primitivo, mas só depois das observações de Webb é que foram capazes de confirmar conclusivamente a sua existência.

Depois de um ano inteiro atravessando a vasta extensão do espaço, o esforço colaborativo entre a NASA, a ESA e a CSA, conhecido como Telescópio Espacial James Webb, continua a surpreender-nos com as suas imagens impressionantes. Recentemente revelou duas fotografias surpreendentes que mostram a imensa beleza da NGC 604, uma magnífica galáxia repleta de aproximadamente 200 corpos celestes. Estas imagens cativantes oferecem um vislumbre dos detalhes intrincados deste fenómeno estelar, deixando-nos maravilhados.

Imagem porNIRCam

descoberta webb

NGC 604, uma galáxia que tem cerca de metade do tamanho da nossa Via Láctea, é capturada em duas novas imagens obtidas pela NIRCam (Near Infrared Camera) e MIRI (Middle Infrared Instrument). Estas imagens revelam uma representação intrincada e completa do processo de formação de estrelas, mostrando bolhas cheias de gás em expansão e filamentos espalhados. O nível de detalhe supera as observações anteriores e apresenta uma tapeçaria vívida do nascimento celestial.

A imagem capturada pela câmera infravermelha próxima confirma a existência de duas estrelas jovens localizadas acima da nebulosa central. Além disso, estruturas vermelhas vibrantes em forma de bolhas são observadas dentro da nebulosa, o que a NASA atribui à influência dos ventos gerados pelas estrelas mais intensas e luminosas da NGC 604. A imagem também revela impressionantes listras laranja, que indicam a presença de carbono. compostos à base de hidrocarbonetos chamados hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs). Estas substâncias são componentes importantes do meio interestelar e desempenham um papel crucial na formação de corpos celestes, embora a sua origem permaneça enigmática. Além disso, a imagem mostra a notável capacidade das duas estrelas jovens e radiantes de escavar aberturas na poeira acima da nebulosa central.

imagem MIRI

A imagem MIRI mostra uma redução notável no número de estrelas, particularmente supergigantes, que têm brilho e tamanho que excedem o do nosso Sol em um milhão e cem vezes, respectivamente. Esta diminuição pode ser atribuída ao facto de estas estrelas quentes emitirem significativamente menos luz nos comprimentos de onda capturados pelo MIRI. Pelo contrário, Aglomerados maiores de gás mais frio e poeira irradiam um brilho luminoso.

A NASA identificou formações azuis distintas que se assemelham a gavinhas, indicando a provável existência de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. Como mencionamos anteriormente, esses hidrocarbonetos são cruciais na formação de corpos celestes como planetas e estrelas. NGC 604, cuja idade é estimada em aproximadamente 3,5 milhões de anos, apresenta uma nuvem luminosa de gás que se estende por um diâmetro impressionante de 1.300 anos-luz.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre o que o Telescópio Espacial James Webb conseguiu capturar e sua importância.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.