Colapso da Corrente do Golfo

flora e fauna possíveis danos

A Corrente Atlântica, uma enorme "correia transportadora" oceânica que transporta água quente dos trópicos para o Atlântico Norte, está desacelerando e à beira do colapso, o que mudará as temperaturas na Europa. Os cientistas vêm alertando sobre isso há anos. Pesquisas recentes não apenas confirmaram a perda de energia nesta corrente, mas também prevêem uma parada repentina em um futuro não muito distante. O bloqueio terá repercussões em toda a Europa, causando uma seca prolongada e mergulhando grande parte do continente em um inverno perpetuamente frio. Cientistas falam sobre colapso da corrente do golfo como uma consequência negativa para o ambiente global.

Portanto, vamos dedicar este artigo para contar tudo o que você precisa saber sobre o colapso da Corrente do Golfo.

Corrente Atlântica

colapso da corrente do golfo crise climática

Um físico atmosférico da Universidade Complutense de Madri disse: “Quando isso acontecer, o movimento das águas tropicais quentes em direção à região do Atlântico Norte cessará, elas se tornarão águas mais frias e terão impacto no clima da região. De acordo com o estudo, publicado na revista Nature, o comportamento desta “correia transportadora” de água – conhecida como Circulação Meridional Atlântica – AMOC – deu sinais suficientes de que está à beira de um “colapso iminente”.

A circulação termohalina (THC) é um dos componentes mais importantes da circulação oceânica em escala global. Basicamente, é um dos determinantes do clima global devido à sua importante participação no fluxo global de calor líquido. O AMOC, localizado dentro desta correia transportadora, regula a temperatura no Atlântico Sul. “Graças a isso, Madri tem um clima mais quente que Nova York, embora estejam em latitude semelhante”, destaca o físico atmosférico.

Seu funcionamento é caracterizado por uma corrente de água morna e salgada que atravessa o alto oceano Atlântico, enquanto outra corrente transporta águas mais frias e profundas em direção ao sul, que então fará parte da circulação termohalina.

No entanto, o motor que impulsiona essa corrente atlântica perdeu força na última década, e acredita-se que a própria mudança climática seja a causa. “Não está claro, mas muitas teorias apontam o derretimento da Groenlândia como o principal motivo dessa desaceleração”, disse González, porque é o gelo nas partes mais frias da Europa que permite que as correntes atlânticas funcionem.

Isso está de acordo com o aumento da densidade das águas superficiais causado pelo aprofundamento das mudanças climáticas, aproximando o sistema do colapso total.

Estudo sobre o colapso da Corrente do Golfo

como funciona a circulação termohalina

O estudo não especificou quando o fenômeno pode ocorrer, mas não descarta que aconteça nas próximas décadas, possivelmente ainda antes do final do século. “Isso teria efeitos catastróficos na Europa e no mundo como um todo”, pois de repente “alteraria completamente o clima”, concluíram os pesquisadores.

De fato, essa situação específica é considerada um “ponto de inflexão do sistema climático”, o que significa que, uma vez que ocorra, o clima da região nunca mais será o mesmo.

Consequências do colapso da Corrente do Golfo

colapso da corrente do golfo

A lista compilada pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) contém nove pontos de inflexão climáticos seriamente afetados ou em sério risco de desaparecer. Os nove elementos são o gelo marinho do Ártico, a camada de gelo da Groenlândia, a floresta boreal, permafrost, o sistema de correntes atlânticas, a floresta amazônica, os corais de águas quentes e as camadas de gelo do Oceano Antártico na Antártida Ocidental e no Leste Asiático. Todos esses pontos de inflexão estão interconectados, então o que afeta uma pessoa afeta outra.

"Esta situação pode ser pior do que o aquecimento, pois seus efeitos são sentidos gradualmente, mas, no entanto, esta é uma mudança fundamental que ainda terá efeitos não intencionais", insiste. Os impactos potenciais incluem a redução das chuvas, cobertura de neve mais densa em mais partes da Europa, problemas agrícolas ou uma maior probabilidade de eventos como ciclones mais fortes.

O que acontece, como adverte González Alemán, é que, embora esses efeitos pareçam ir contra a mudança climática e até certo ponto equilibrá-la, provavelmente não é o caso.

"Em alguns lugares pode equilibrar os dois fenômenos, em outros pode reduzir os efeitos das mudanças climáticas e em outros pode aumentar os efeitos das mudanças climáticas", insistem os pesquisadores, que ressaltam que a única consequência de tal colapso é que o futuro é “muito mais complicado”. "Não sabemos todos os efeitos que isso pode ter, e pode ter eventos imprevisíveis", disse ele.

Efeito direto no Atlântico

Pesquisas mostram que estamos nos aproximando de um limite crítico além do qual o sistema circulatório pode entrar em colapso. Este trabalho mostra que vários fatores aumentam o efeito direto do aquecimento do Atlântico em sua circulação.

Estes incluem influxos de água doce do derretimento das camadas de gelo da Groenlândia, derretimento do gelo marinho, aumento da precipitação e da água do rio. A água doce reduz a tendência de a água do Atlântico Norte afundar mais na superfície, um dos causadores da turbulência.

A Circulação Meridional Atlântica é uma importante corrente oceânica que regula o clima da Terra porque carrega água quente da superfície em altas latitudes, aquece o ar, afunda e retorna ao equador. Por exemplo, é responsável pela Espanha, que goza de um clima muito mais ameno em comparação com o resto do planeta na nossa mesma latitude.

Se o Ártico aquecer, a Europa esfriará porque quando muita água fria e menos salgada entra no Atlântico, corta o fluxo de água quente da América Central para a Europa, o que fará com que as temperaturas globais caiam na Europa Ocidental. a temperatura passará a um nível semelhante ao registrado na América do Norte na mesma latitude.

Espero que com esta informação você possa aprender mais sobre os efeitos do colapso da Corrente do Golfo.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.