Cientistas estudam o impacto das mudanças climáticas no Corredor Seco

seca devido à mudança climática

Sabemos que a mudança climática não afeta todas as áreas do mundo da mesma forma. Por isso, os cientistas estudam os impactos desse fenômeno em diferentes partes do globo para dar conta dos danos e poder planejá-los e agir para minimizá-los.

Neste caso vamos para a chamada Corredor Seco da América Central (CSC) onde cientistas da Universidade da Costa Rica têm investigado o impacto da mudança climática nesta área de um ponto de vista ecológico e social. Quais são as repercussões?

Corredor seco

seca no CSC

O Corredor Seco cobre toda a área ao longo da costa do Pacífico da região de Guanacaste, na Costa Rica, ao noroeste da Guatemala.

O projeto de pesquisa é liderado por Dr. Hugo Hidalgo León, Pesquisador e diretor do Centro de Pesquisas Geofísicas da Universidade da Costa Rica (CIGEFI). A causa da pesquisa se dá pelas secas que sofre o CSC e outras ameaças hidroclimáticas devido à variabilidade do clima devido às mudanças climáticas.

Em algumas áreas do CSC pode-se observar como a seca vai evoluindo até atingir condições áridas. Como essa área é muito vulnerável às mudanças climáticas, os impactos geofísicos e socioeconômicos são mais afetados pelos efeitos do aquecimento global.

Na área do Corredor Seco ao vivo cerca de 10 milhões de pessoas. Essas pessoas precisam de comida e abrigo. Portanto, é importante garantir que os alimentos diminuam devido a secas recorrentes e prolongadas. A seca leva a situações de extrema pobreza.

As pessoas que habitam este lugar costumam formar pequenas famílias e seu estilo de vida diário é ameaçado por essas condições climáticas extremas. Através de a obrigação de emigrar das áreas rurais para as urbanas Além das fronteiras nacionais e regionais, a instabilidade social e uma possível crise de refugiados começaram a emergir como resultado de um conflito social por território e recursos.

Programa Completo do Corredor Seco da América Central

lagoa seca

A pesquisa realizada pelos cientistas da Universidade da Costa Rica conseguiu criar um Programa Integral para o Corredor Seco da América Central (PICSC), para o qual foi realizada uma "Reunião de coordenação inicial e workshop Centro-americano UCREA-PICSC".

O workshop foi realizado no mini-auditório do Centro de Pesquisas Geofísicas (CIGEFI) da UCR. Estiveram presentes todos os acadêmicos e pesquisadores da América Central que trabalham neste tema. O objetivo de reunir pessoas que estudam o mesmo tema em outros lugares é poder contrastar os diferentes impactos que as mudanças climáticas têm por região e obter mais informações sobre como evitá-las.

Durante a atividade, tanto o Dr. Hugo Hidalgo León, investigador principal do projeto, quanto o pesquisador Dr. Yosef Gotlieb da Faculdade de Educação David Yellin de Israel, apresentaram o escopo do projeto de pesquisa e do PICSC.

“Temos cinco anos de pesquisa em todos os países envolvidos no Corredor Seco da América Central. Os fundos concedidos pela Universidade da Costa Rica estão nos permitindo encontrar colegas de todos esses países. O projeto é interinstitucional, inter-regional, é uma colaboração internacional”. Dr. Gotlieb explicou.

O programa visa reunir todo o conhecimento necessário sobre os aspectos ambientais dos recursos naturais e sociais e como são afetados pela mudança climática em diferentes áreas da América Central, já que uma mudança em um deles pode causar mudanças nas demais. Todos os recursos e ecossistemas estão conectados.

O programa funciona em dois níveis: por um lado, tratando o nível natural, onde os recursos são gerenciados e conservados e, por outro lado, o humano, onde são discutidos os problemas socioeconômicos derivados das mudanças climáticas e os impactos que elas geram.

O programa começará aumentando a capacidade de monitoramento dos sistemas de ar, terra e água para fornecer um sistema de alerta precoce. Além disso, a otimização do uso da água e do solo será aumentada com o uso de tecnologias de ambientes mais áridos. Para economizar água, serão utilizadas variedades de safras que estão mais bem adaptadas às condições de mudança.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.