Catálogo Messier

tudo o que você vê no messier

El catálogo mais bagunçado é uma compilação de objetos celestes, criada pelo astrônomo francês Charles Messier no século XVIII. Charles Messier, apaixonado por astronomia, queria evitar a confusão entre cometas e outros objetos difusos no céu que pudessem ser confundidos com eles. Por esse motivo, ele decidiu compilar uma lista de outros objetos celestes além dos cometas, com o objetivo de ajudar astrônomos e amadores a identificar com mais precisão esses objetos.

Neste artigo vamos explicar quais são as características e importância do catálogo Messier e quais são os principais objetos celestes.

Características principais

catálogo mais bagunçado

O catálogo Messier consiste em 110 objetos, variando de nebulosas e aglomerados de estrelas a galáxias. Para selecionar esses objetos, Messier se baseou em suas próprias observações e no trabalho de outros astrônomos da época. A cada objeto do catálogo é atribuído um numeral romano de I a C (1 a 100), com alguns objetos adicionais designados pelas letras A e B. Por exemplo, lfamosa galáxia de Andrômeda é conhecida como M31 no catálogo Messier.

A criação deste catálogo revolucionou a forma como os astrônomos classificavam e catalogavam os objetos celestes. Até então, a maioria dos objetos difusos eram considerados cometas até prova em contrário. O catálogo Messier permitiu uma melhor organização e classificação destes objetos, bem como o seu estudo mais detalhado.

Hoje, o catálogo Messier continua sendo uma ferramenta inestimável para astrônomos e entusiastas da astronomia. Muitos dos objetos incluídos no catálogo são visíveis mesmo com telescópios modestos, tornando-os alvos populares para observadores amadores. Além do mais, este catálogo serviu de base para a descoberta e estudo de outros objetos celestes além daqueles originalmente listados.

Histórico do Catálogo Messier

charles mais bagunçado

A história do catálogo Messier está intimamente relacionada com os cometas. Messier investiu tempo e esforço na localização desses objetos. Mas vamos nos colocar no contexto. Hoje sabemos que existem bilhões de cometas nas regiões mais externas do sistema solar. No entanto, desde 1995, apenas cerca de 900 cometas foram descobertos. Isso ocorre porque a maioria é muito fraca para ser detectada à distância. Mas às vezes esses cometas se aproximam das regiões internas do sistema solar e se tornam brilhantes o suficiente para serem vistos.

Foi em 1744 que isso aconteceu com o cometa Klinkenberg-Shesso, que ficou mais brilhante à medida que se aproximava do Sol. Em poucos meses, o cometa atingiu magnitude -7, tornando-se o objeto mais brilhante do céu, perdendo apenas para a Lua e o Sol. Este impressionante cometa atraiu a atenção de astrônomos profissionais e amadores, incluindo o jovem Charles Messier.

Esse fascínio levou Messier a dedicar sua vida e trabalho à astronomia. Anos depois, em 1758, Messier mergulhou na busca de cometas e descobriu um objeto difuso na constelação de Touro. Após observação cuidadosa, ele percebeu que o objeto não poderia ser um cometa porque não estava se movendo no céu. Conhecido hoje como M1 ou Nebulosa do Caranguejo, este objeto foi o primeiro objeto no catálogo de nebulosas e aglomerados estelares de Messier.

Desde então, Messier percebeu e começou a catalogar outros objetos semelhantes a cometas potencialmente enganosos para evitar que outros astrônomos confundissem o objeto com um cometa.

Catálogo Messier visto pelo Hubble

catálogo messier completo

Os objetos mais confusos geralmente são os mais brilhantes e dramáticos. Mas vistos pelo Telescópio Espacial Hubble, eles são ainda mais espetaculares.. A NASA publicou recentemente em seu site uma lista de todos os objetos Messier fotografados pelo Hubble.

Embora o Hubble não tenha fotografado todos os objetos, conseguiu fotografar a maioria deles. Até agora, registramos 96 dessas fotos maravilhosas. Algumas dessas imagens não são objetos inteiros, mas concentram-se em áreas específicas. Isso porque o Hubble tem um campo de visão relativamente pequeno. Portanto, em alguns casos, é necessário tirar muitas fotos para capturar o objeto inteiro, o que nem sempre é eficiente. A NASA foi autorizada a fazer exposições múltiplas apenas quando o mérito científico justificava o tempo gasto. Veja a galáxia de Andrômeda, por exemplo. São necessárias cerca de 7400 imagens para obter um mosaico de uma pequena porção desta enorme galáxia.

Importância entre astrônomos amadores

Os 110 objetos do catálogo de Messier são os mais populares entre os astrônomos amadores. Não há fã que não tenha tido tempo para assisti-los o máximo possível. Portanto, esses objetos sempre recebem atenção especial durante qualquer atividade de observação.

Mas há uma noite em particular em que esses objetos ocupam o centro do palco. Este é ele Messier Marathon, realizada todos os anos na lua nova mais próxima do equinócio de primavera ou outono. Naquela noite, é feita uma tentativa de localizar e observar todos os 110 objetos. Sem dúvida, este é um belo e especial desafio para qualquer fã de astronomia.

Objetos celestes mais importantes do catálogo Messier

Dos 110 objetos que pertencem a este catálogo, estes são os 5 mais conhecidos:

  • M31, a Galáxia de Andrômeda: É a galáxia espiral mais próxima da Via Láctea e é visível a olho nu sob condições de céu escuro. Sua forma e tamanho em espiral são impressionantes, e estima-se que contenha mais de um bilhão de estrelas.
  • M42, a Nebulosa de Orion: Localizada na constelação de Orion, esta nebulosa é uma das mais conhecidas e mais fotografadas do céu. É uma região de formação estelar ativa, onde nascem novas estrelas cercadas por nuvens de gás e poeira.
  • M13, o Aglomerado Globular de Hércules: Este aglomerado globular é um dos mais impressionantes de seu tipo. É formado por centenas de milhares de estrelas agrupadas em uma esfera densa e compacta.
  • M51, a Galáxia do Redemoinho: Esta galáxia espiral barrada é famosa por sua distinta estrutura em forma de redemoinho. Além disso, M51 é conhecida por sua interação gravitacional com uma galáxia vizinha menor, que criou braços de maré espetaculares.
  • M45, as Plêiades: Também conhecidas como as Sete Irmãs, as Plêiades são um aglomerado estelar aberto que se destaca por sua beleza no céu noturno. As Plêiades são um alvo popular para visualização a olho nu e através de telescópios.

Espero que com esta informação você possa aprender mais sobre o catálogo Messier e sua importância.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.