Éon pré-cambriano: tudo o que você precisa saber

Aeon Pré-cambriano

Hoje vamos nos mover em direção aos primórdios que marcam tempo geológico. O primeiro eon que marca a história do nosso planeta. É sobre o Pré-cambriano. Este é um termo bastante antigo, mas amplamente utilizado para indicar o período da Terra antes da formação das rochas. Vamos viajar ao início da Terra, próximo a um período de sua formação. Fósseis foram descobertos nos quais algumas rochas pré-cambrianas são reconhecidas. Também é conhecido como "vida escura".

Se você quer saber tudo relacionado a essa era do nosso planeta, neste post vamos contar tudo para você. Você apenas tem que continuar lendo 🙂

Começos do planeta

Formação do sistema solar

Formação do sistema solar

O Pré-cambriano cobre quase 90% de toda a história da Terra. Para melhor estudá-lo, ele foi dividido em três épocas: Azoico, Arcaico e Proterozóico. O éon pré-cambriano é aquele que inclui todo o tempo geológico anterior a 600 milhões de anos. Este éon foi definido como aquele antes do período cambriano. Hoje, porém, sabe-se que a vida na Terra começou no início do Arcaico e que os organismos fossilizados se tornaram mais abundantes.

As duas subdivisões que o pré-cambriano possui são a arqueana e a proterozóica. Este primeiro é o mais antigo. Rochas com menos de 600 milhões de anos são consideradas pertencentes ao Fanerozóico.

A duração deste eon começa com a formação de nosso planeta há cerca de 4.600 bilhões de anos até a diversificação geológica. É quando as primeiras vidas multicelulares conhecidas como Explosão Cambriana apareceram que o Cambriano começou. Isso é datado de cerca de 542 milhões de anos atrás.

Existem alguns cientistas que consideram a existência de uma quarta era dentro do Pré-cambriano chamada Caotiana e que é anterior a todas as outras. Corresponde à época da primeira formação de nosso sistema solar.

Azóico

Era azoico

Esta primeira era aconteceu entre os primeiros 4.600 bilhões de anos e 4.000 bilhões de anos após a formação do nosso planeta. O sistema solar na época estava se formando dentro de uma nuvem de poeira e gás conhecida como nebulosa solar. Esta nebulosa gerou asteróides, cometas, luas e planetas.

É teorizado que se a Terra colidisse com um planetóide do tamanho de Marte chamado Theia. É possível que esta colisão acrescentaria 10% da superfície da Terra. Os destroços dessa colisão se juntaram para formar a lua.

Existem muito poucas rochas da era Azoica. Restam apenas alguns fragmentos minerais que foram encontrados em substratos de arenito na Austrália. No entanto, vários estudos foram realizados nas formações lunares. Todos eles concluem que a Terra foi bombardeada por frequentes colisões de asteróides durante toda a era Azoic.

Nesta época, toda a superfície da Terra era devastadora. Os oceanos eram rochas líquidas, enxofre fervente e crateras de impacto por toda parte. Os vulcões estavam ativos em todas as áreas do planeta. Houve também uma chuva de pedras e asteróides que nunca acabou. O ar estava quente, espesso, cheio de poeira e sujeira. Naquela época não poderia haver vida como a conhecemos hoje, pois o ar era composto de dióxido de carbono e vapor de água. Ele tinha alguns traços de compostos de nitrogênio e enxofre.

Arcaico

Era arcaico

O nome significa antigo ou primitivo. É uma era que começou há cerca de 4.000 bilhões de anos. As coisas mudaram desde a era anterior. A maior parte do vapor d'água que estava no ar resfriou e formou o oceano global. A maior parte do dióxido de carbono também foi transformada em calcário e depositada no fundo do oceano.

Nesta época, o ar era feito de nitrogênio e o céu estava cheio de nuvens normais e chuva. A lava começou a esfriar para formar o fundo do oceano. Muitos vulcões ativos ainda indicam que o núcleo da Terra ainda está quente. Os vulcões formavam pequenas ilhas que, naquela época, eram a única área de terra que existia.

As pequenas ilhas colidiram umas com as outras para formar outras maiores e, por sua vez, estas colidiram para formar os continentes.

Quanto à vida, apenas algas unicelulares existiam no fundo dos oceanos. A massa da Terra era suficiente para hospedar uma atmosfera redutora composta de metano, amônia e outros gases. Foi quando existiram organismos metanogênicos. A água dos cometas e minerais hidratados condensam-se na atmosfera. Houve uma série de chuvas torrenciais em níveis apocalípticos que formaram os primeiros oceanos de água líquida.

Os primeiros continentes pré-cambrianos eram diferentes do que conhecemos hoje: eram menores e tinham superfícies de rochas ígneas. Nenhuma vida vivia neles. Por causa da força contínua da crosta terrestre para encolher e esfriar, as forças se acumularam abaixo e empurraram as massas de terra para cima. Isso causou a formação de altas montanhas e planaltos que foram construídos acima dos oceanos.

Proterozóico

Proterozóico

Entramos na última era pré-cambriana. É também chamado de criptozóico, o que significa vida escondida. Tudo começou há cerca de 2.500 bilhões de anos. Rocha suficiente se formou nos escudos para iniciar processos geológicos reconhecíveis. Isso deu início às atuais placas tectônicas.

Nessa época, havia organismos procarióticos e algumas relações simbióticas entre organismos vivos. Com o passar do tempo, as relações simbióticas foram permanentes e essa conversão contínua de energia passou a construir cloroplastos e mitocôndrias. Elas foram as primeiras células eucarióticas.

Cerca de 1.200 bilhão de anos atrás, as placas tectônicas forçaram a rocha escudo a colidir, formando Rodínia (um termo russo que significa "mãe terra"), o primeiro supercontinente da Terra. As águas costeiras desse supercontinente eram cercadas por algas fotossintéticas. O processo de fotossíntese adicionava oxigênio à atmosfera. Isso fez com que os organismos metanogênicos desaparecessem.

Depois de uma curta era do gelo, os organismos começaram a se diferenciar rapidamente. Muitos dos organismos eram cnidários semelhantes a águas-vivas. Uma vez que os organismos moles deram origem aos organismos mais elaborados, o éon pré-cambriano chegou ao fim para iniciar o éon atual denominado fanerozóico.

Com essas informações você poderá aprender um pouco mais sobre a história de nosso planeta.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.