O que é a teia cósmica e como ela conecta todas as galáxias do universo?

a teia cósmica

Graças à tecnologia e ao avanço da ciência em relação ao universo, ela nos ajudou a mudar a percepção do ser humano. De pensar que somos o centro do universo a descobrir que tudo está ligado a um teia cósmica das galáxias espalhadas pelo universo. E é essa rede cósmica que é responsável pela origem de todas as galáxias e serve de ligação entre elas.

Neste artigo vamos contar o que é a teia cósmica, quais são suas características e como ela conecta todas as galáxias do universo.

O que é a teia cósmica

teia cósmica

A teia cósmica é uma estrutura semelhante a uma teia de aranha que basicamente conecta todo o universo. Começou a se formar logo após o Big Bang, e a partir dele se formaram as primeiras galáxias.

A teia cósmica consiste em filamentos de hidrogênio e matéria escura. Essa rede conecta todos os elementos do universo por meio desses mesmos filamentos. EÉ no ponto onde os filamentos se cruzam que as galáxias são criadas.

Este é um conceito um tanto complicado de imaginar. Para poder representar graficamente isso, é preciso pensar em um quadro geral, e é isso que os cosmólogos estudam, a dinâmica do universo. A organização dessa estrutura parece seguir um modelo hierárquico, até a escala de superaglomerados e filamentos. É a maior estrutura a partir da qual podemos compreender o universo.

Em última análise, Se tivéssemos que pensar em um mapa do universo, seria a teia cósmica.. Na imagem abaixo, você pode ter uma ideia de como era a estrutura-mãe a partir da qual as primeiras galáxias se formaram. Esta é a melhor visão até agora da estrutura em grande escala do nosso universo.

Como você pode ver?

rede de junção de galáxias

Esta é uma equipe de cientistas de todo o mundo que usam duas tecnologias fundamentais: o Telescópio de Longo Alcance (VLT) e o Explorador Espectroscópico de Unidade Múltipla (MUSE) do European Southern Observatory (ESO).

Com essas duas ferramentas, os cientistas conseguiram ver a luz do gás que forma os filamentos da teia cósmica. Eles tiveram que olhar para uma região do céu que era mais profunda do que antes.

Eles conseguiram capturar a imagem mais profunda já capturada. Antes disso, o recorde era do Hubble, o chamado Hubble Ultra Deep Field (HUDF). Esta é uma imagem emitida há cerca de 13 bilhões de anos, apenas 800 milhões de anos após o Big Bang.

Novas imagens agora obtidas mostram a luz do gás emitida pelos filamentos da estrutura, ou seja, estamos vendo um grupo de galáxias se formando no passado. É como se descobríssemos o retrato do universo feito por uma criança mil anos antes de seu nascimento.

O universo tem agora cerca de 13.800 bilhões de anos. Ou seja, a luz dessa rede de universos é o passado do universo e é o nascimento de toda a galáxia.

Teia cósmica e gravidade

união de todas as galáxias

Durante anos, os cosmólogos desenvolveram simulações de computador da estrutura do universo para criar um "modelo padrão de cosmologia". Para isso, usou a radiação cósmica de micro-ondas, ou radiação do fundo cósmico, como ponto de partida. correspondendo às observações do início do universo visível coletadas por instrumentos como o Observatório Espacial Planck.

Seus cálculos mostraram que, à medida que o universo crescia e se formava, a matéria era reunida pela gravidade em filamentos e nós, como uma teia cósmica gigante. Os novos resultados do Telescópio Keck de 10 m no Havaí são o resultado de um esforço conjunto de cientistas da Universidade da Califórnia, Santa Cruz, e do Instituto Max Planck de Astronomia em Heidelberg, Alemanha. Eles constituem as primeiras observações diretas do gás frio que adorna essas teias cósmicas.

A rede proposta pelo Modelo Padrão é composta principalmente de misteriosa "matéria escura". Embora invisível por si só, esta substância indescritível exerce uma atração gravitacional na luz visível e na matéria comum próxima.

Enormes aglomerados de matéria escura curvam a luz que passa perto deles por meio de um processo chamado lente gravitacional, que anteriormente tornou possível medir sua distribuição. Mas a matéria escura muito distante é difícil de ver dessa maneira, e a matéria fria comum é difícil de detectar.

Nessas novas observações, o hidrogênio brilhante iluminado pelo quasar distante delineia um filamento oculto de matéria escura que é puxado em sua direção pela gravidade. Assim são detectados os filamentos que compõem a teia cósmica.

Espera-se que a matéria escura domine a massa e forme essas estruturas, e então a matéria comum, gás, estrelas e tudo mais moldará os filamentos e estruturas definidas pela dinâmica da matéria escura. Os cientistas detectaram os filamentos mais cedo graças ao uso de lentes gravitacionais que lhes permitem ver a distribuição da matéria escura.

Como se forma?

As galáxias não são espalhadas aleatoriamente, mas tendem a se agrupar em estruturas maiores devido à influência da gravidade. Em escala muito grande, essas agregações assumem a forma de filamentos que se cruzam nos nós, criando assim a teia cósmica.

A teia cósmica é formada graças à influência da matéria escura e da energia escura, que já vimos são dois componentes essenciais do universo, embora na maior parte não possam ser observados diretamente. A matéria escura, que não emite nem reflete luz, exerce uma força gravitacional significativa, atuando como "andaime" para orientar a distribuição da matéria visível, como estrelas e galáxias.

Os filamentos da teia cósmica são fluxos de matéria escura e gás, onde a matéria normal se aglomera devido à gravidade. Nessas regiões, as galáxias encontram as condições ideais para se formar e evoluir. Os nodos da teia cósmica são pontos de intersecção de múltiplos filamentos, e é nesses nodos que se concentra uma grande quantidade de matéria, formando maciços aglomerados de galáxias.

Essa estrutura semelhante a uma rede é crucial para entender como o universo é organizado em grande escala e como seus diferentes componentes interagem. A teia cósmica atua como uma espécie de esqueleto que conecta todas as galáxias, fornecendo vias de comunicação gravitacional ao longo de seus filamentos.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre o que é a teia cósmica e como todas as galáxias estão conectadas.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.