Júpiter pode ter sido plano

planeta plano

Quando Júpiter estava nos seus estágios iniciais, tinha potencialmente uma forma plana, apresentando novos insights sobre a formação de planetas e a ampla gama de sistemas estelares que existem em todo o universo. Diante disso, surge a pergunta: qual era a aparência de Júpiter durante sua juventude?

Neste artigo vamos contar tudo o que você precisa saber sobre como Júpiter pode ter sido plano.

Recursos de Júpiter

Júpiter poderia ter sido plano

Com um diâmetro de aproximadamente 140.000 mil quilômetros, Júpiter reina como o planeta mais colossal e massivo do sistema solar. Júpiter, com massa de aproximadamente Com 1.900 bilhão de toneladas, tem aproximadamente 11 vezes o tamanho da Terra e 318 vezes o seu peso. Tal como o Sol, Júpiter é composto principalmente de hidrogénio e hélio.

A atmosfera é caracterizada pela sua densidade e turbulência, com nuvens vibrantes e tempestades massivas que lembram a Grande Mancha Vermelha. Júpiter, um corpo celeste que carece de superfície sólida, é composto por várias camadas de gás, líquido e metal que circundam um núcleo rochoso. Além do mais, Este planeta possui um campo magnético robusto que produz impressionantes auroras polares.

Júpiter, o corpo celeste com potencial para se tornar uma estrela, abriga um grupo de 79 luas, algumas das quais são de grande importância no campo da astrobiologia. Luas como Europa e Encélado são particularmente cativantes pelo seu potencial para vida extraterrestre.

Júpiter, com seu imenso tamanho, levou alguns astrônomos a classificá-lo como uma estrela fracassada, ou seja, não brilhou como o Sol devido à sua massa insuficiente. A estimativa geral é que um objeto deve atender a certos critérios para se tornar uma estrela.

Para desencadear reações de fusão nuclear no seu núcleo, um corpo celeste deve ter uma massa não inferior a 8% da massa do Sol, o que se traduz em aproximadamente 80 vezes a massa de Júpiter. Se Júpiter tivesse cumprido este critério, teria iniciado o processo de fusão nuclear, resultando na libertação de uma quantidade significativa de energia.

Júpiter poderia ter sido uma estrela

planeta Júpiter

Júpiter, apesar de estar bastante longe desse limiar, emite apenas uma quantidade modesta de energia e luz. Embora não seja uma estrela, exerce uma força gravitacional significativa sobre o sistema solar, gerada em parte pela sua contração gravitacional e pela decadência radioativa dos elementos. Este calor residual desempenha um papel crucial na influência de Júpiter no sistema solar.

Este planeta é um corpo celeste capaz de alterar as trajetórias dos planetas vizinhos, asteroides e cometas, tem a capacidade de redirecionar ou prender qualquer objeto que se aproxime. Como a maioria dos planetas, Júpiter tem forma esférica, embora nem sempre tenha mantido essa forma, segundo uma hipótese recente.

De acordo com a proposta de dois astrofísicos da Universidade Central de Lancashire, Júpiter inicialmente assumiu a forma de um disco girando rapidamente, lembrando o achatamento de uma panqueca ou a redondeza de um doce M&M ou Rocklets.

Júpiter pode ter sido plano

correntes de Júpiter

A formação de Júpiter pode ser atribuída a um fenômeno conhecido como instabilidade do disco. Durante este processo, o disco de gás e poeira que rodeia uma estrela jovem quebra-se em fragmentos mais pequenos devido às forças gravitacionais. Esses fragmentos então se juntam e se condensam, formando eventualmente planetas. No caso de Júpiter, a sua distância da estrela e a rápida rotação resultam na sua forma oblonga distinta.

Depois de fazer sua pesquisa, Os cientistas determinaram que à medida que mais material é sugado, ele começa a formar uma forma arredondada. Simulações computacionais intrincadas revelam a trajetória evolutiva desses corpos celestes achatados. Entre eles, Júpiter se destaca como um excelente exemplo, passando de um formato plano para um formato mais esférico.

O conceito de que Júpiter inicialmente tinha uma forma plana tem implicações importantes para a compreensão do desenvolvimento e evolução dos planetas gigantes gasosos. Especificamente, indica que estes planetas passam por um processo de formação mais rápido a distâncias maiores da sua origem.

Informações recentemente descobertas sobre a estrela sugerem que pode haver mais em sua estrutura do que se acreditava inicialmente. Esta descoberta poderia fornecer uma explicação para a presença de certos exoplanetas que desafiam a compreensão convencional de como os planetas se formam. Pelo contrário, Também indica que os planetas achatados têm características únicas.

Planetas que se desviam de uma forma esférica exibem características distintas, incluindo aumento da área de superfície, densidade reduzida, temperatura elevada e luminosidade aprimorada. Esses atributos únicos facilitam a identificação e o exame de tais corpos celestes, tanto dentro como fora do nosso sistema solar.

Se Júpiter e os seus homólogos planos não conseguirem reunir material suficiente para atingir uma forma arredondada, podem permanecer achatados por um período prolongado, ou mesmo indefinidamente. É importante notar que Júpiter não é o único planeta que pode ter passado por uma fase plana no passado. Esta ideia vem de astrofísicos que estudaram formações planetárias.

Foi teorizado que não apenas Júpiter, mas também outros planetas gigantes gasosos como Saturno, Urano e Netuno, adquiriram inicialmente uma forma alongada como resultado da instabilidade do disco durante sua formação. Além disso, estes planetas conseguiram manter esta forma ao longo da sua existência.

O nível de achatamento de um planeta é determinado por uma medida específica conhecida como achatamento. Esta medida é calculada subtraindo o diâmetro polar do diâmetro equatorial. No caso de Júpiter, seu achatamento é registrado como 0,06487, indicando isso.

O diâmetro polar de Urano é 0,09796, enquanto seu diâmetro equatorial é 6,487% maior. O mesmo se aplica a Saturno. Os valores de Urano e Netuno, 0,02293 e 0,01708 respectivamente, excedem em muito os dos planetas terrestres.

Júpiter e suas contrapartes planas possuem um nível de achatamento notavelmente mínimo, medindo menos de 0,01. Graças aos avanços da tecnologia e da ciência, podemos agora aplicar a teoria de que Júpiter é plano não apenas aos planetas do nosso sistema solar, mas também aos exoplanetas, que são planetas que orbitam outras estrelas que não a nossa.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre qual Júpiter poderia ter sido plano e tudo o que pode ser investigado em torno disso.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.