Earendel, a estrela mais distante observada no Universo

Earendel

A tecnologia para a exploração e observação do universo está cada vez mais desenvolvida. Tanto que Brian Welch e sua equipe de pesquisadores fizeram uma descoberta inovadora graças ao Telescópio Espacial Hubble. Eles encontraram uma estrela chamada WHL0137-LS, que eles apelidaram de earendel. Sua luz levou quase 13.000 bilhões de anos para chegar até nós, e nós a vemos quando o universo tinha apenas 7% de sua idade atual.

Neste artigo vamos falar sobre as características de Earendel, sua descoberta e muito mais.

descoberta de Earendel

estrela earendel

É impressionante encontrar uma estrela individual a tal distância, mas é possível por causa da distorção do espaço-tempo que a relatividade geral descreve. O Hubble usou um pequeno "truque" para tirar proveito desse fenômeno. A luz de Earendel foi amplificada pela gravidade de um enorme aglomerado de galáxias chamado WHL0137-08 que se encontra entre nós e a estrela. Este efeito de lente gravitacional nos permitiu observar esta estrela individual.

Em 2016, a galáxia WHL0137-zD1 foi inicialmente observada através do programa RELICS, que examina aglomerados de lentes, e sua forma distorcida foi atribuída à atração gravitacional do aglomerado. Esta mesma galáxia recuperou a atenção do Hubble em 2019. A lente gravitacional que criou esta imagem alongada é a mais difundida entre as observadas, ele se estende por 15 segundos de arco e rendeu à galáxia o apelido de "arco do amanhecer".

O programa RELICS estudou 41 aglomerados, incluindo o WHL0137-08, que foi fotografado pelas câmeras ACS e WFC3 do Hubble. O aglomerado é capaz de ampliar objetos além das galáxias, como estrelas, e duas manchas visíveis no fundo da imagem de Earendel correspondem ao mesmo aglomerado estelar. A aplicação de modelos numéricos à imagem de Earendel facilitou a determinação precisa da ampliação da estrela, que se acredita estar entre mil e quarenta mil.

Estimativas sobre a estrela Earendel

estrela distante

Infelizmente, é impossível medir com precisão o tamanho da estrela de uma distância tão grande, embora possa ser estimado em menos de 2,3 anos-luz. Esta estimativa pode parecer irrelevante, uma vez que não são conhecidas estrelas de tamanho tão grande, mas fornece a confirmação de que estamos lidando com uma única estrela em vez de um aglomerado de estrelas, embora seja possível que seja uma estrela dupla ou tripla.

A magnitude absoluta do ultravioleta nos permitiu deduzir que Earendel tem uma massa superior a 50 massas solares, mas há pouco espaço para melhorar essa estimativa. Sua massa é provavelmente dezenas ou centenas de vezes a de nossa própria estrela, a faixa mais provável está entre 50 e 100 massas solares.

Depois de analisar suas características por três anos e meio, pode-se concluir que esse fenômeno não é transitório. Embora sua composição não tenha sido examinada, acredita-se que Earendel nasceu durante os primeiros estágios do universo, sugerindo que é feito principalmente de hidrogênio e hélio. Sua idade, no entanto, indica que não é um membro da primeira geração de estrelas, conhecida como População III. A descoberta de Earendel, a estrela mais distante conhecida, supera a de Ícaro, que foi encontrada em 2018 e acredita-se que tenha quatro bilhões de anos. Ícaro é observado através de lentes gravitacionais, mas o novo telescópio James Webb oferece o potencial para determinar o tipo espectral de Earendel e se é um sistema binário ou múltiplo. A diferença entre as duas descobertas é significativa.

Importância da descoberta

Telescópio Hubble

A importância dessa descoberta está na perspectiva e não como um fato isolado. Quando queremos aprender sobre civilizações antigas, examinamos os vestígios que deixaram para trás. Ao estudar esses restos, podemos aprender sobre seu modo de vida. Da mesma forma, na vasta extensão do universo, os restos de estrelas agem como os restos de uma civilização antiga.

As estrelas passam por um ciclo de vida, desde o nascimento até a evolução e eventual morte, deixando um resíduo. Estrelas como o Sol se tornam anãs brancas, enquanto as mais massivas se tornam estrelas de nêutrons, e as mais massivas se tornam buracos negros, que é o núcleo onde ocorrem as reações. No final, o que resta de uma estrela é matéria nuclear. Portanto, podemos comparar estrelas de nêutrons, anãs brancas e buracos negros com as múmias do universo.

Essa analogia nos permite inferir que, se nos deparamos com um desses objetos, já foi uma estrela com uma certa massa que existiu por um tempo específico. A evolução nos oferece essa ideia. Ao descobrir tal estrela, estaríamos abrindo uma janela para o passado. Esta descoberta é significativa porque nos permite não só reconhecer a existência da civilização, mas vivê-la no seu tempo. Observando o universo, podemos ver pelo menos uma estrela de quando era um jovem cosmos, com 900 milhões de anos.

Outras descobertas futuras

Como mencionamos o céu do artigo, a tecnologia de observação espacial está cada vez mais se desenvolvendo e avançando em alta velocidade. Isso nos faz pensar sobre quais descobertas podemos esperar no futuro. O telescópio James Webb pode ser usado não apenas para detectar essas estrelas, mas também para obter seus espectros. Ao fazer isso, podemos obter uma melhor compreensão da astrofísica estelar. Essas primeiras estrelas, conhecidas como estrelas da População III, foram as estrelas que se formaram numa época em que os recursos eram escassos.

Durante os primeiros estágios do universo, as primeiras estrelas eram feitas principalmente de hidrogênio e hélio, com vestígios de outros elementos. Essas estrelas ainda não haviam sofrido uma explosão e não havia contaminação de outros elementos criados pela fusão. No entanto, quando essas estrelas finalmente explodiram, esperava-se que eles fossem muito mais massivos do que o observado atualmente. Observar as características dessas primeiras estrelas é de suma importância, pois confirma nossa compreensão teórica dos primeiros estágios do universo.

Isso cumpre um objetivo principal do Hubble, que era garantir que nossa compreensão das leis físicas e do cosmos se alinhasse com o que realmente observamos.

Espero que com esta informação você possa aprender mais sobre a estrela e Earendel e suas características.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.