A teoria da deriva continental

Deriva continental

No passado, pensava-se que os continentes permaneceram fixos por milhões de anos. Nada se sabia que a crosta terrestre era formada por placas que se movem graças às correntes de convecção do manto. No entanto, o cientista Alfred Wegener propôs a teoria da deriva continental. Essa teoria dizia que os continentes haviam se distanciado por milhões de anos e que ainda o faziam.

Pelo que se pode esperar, essa teoria foi uma verdadeira revolução para o mundo da ciência e da geologia. Quer aprender tudo sobre a deriva continental e descobrir seus segredos?

Teoria da deriva continental

continentes juntos

Esta teoria se refere ao movimento atual das placas que sustentam os continentes e que se movem ao longo de milhões de anos. Ao longo da história geológica da Terra, os continentes nem sempre estiveram na mesma posição. Há uma série de evidências que veremos mais tarde que ajudaram Wegener a refutar sua teoria.

O movimento se deve à formação contínua de novo material do manto. Este material é criado na crosta oceânica. Desta forma, o novo material exerce uma força sobre o existente e faz com que os continentes mudem.

Se você olhar de perto a forma de todos os continentes, parece que a América e a África estão unidas. Esta foi a atenção do filósofo Francis Bacon no ano de 1620. No entanto, ele não propôs nenhuma teoria de que esses continentes tenham permanecido juntos no passado.

Isso foi mencionado por Antonio Snider, um americano que morava em Paris. Em 1858, ele levantou a possibilidade de que os continentes pudessem estar se movendo.

Já em 1915, o meteorologista alemão Alfred Wegener publicou seu livro intitulado “A origem dos continentes e oceanos”. Nele, ele expôs toda a teoria da deriva continental. Portanto, Wegener é considerado o autor da teoria.

No livro, ele explicou como nosso planeta hospedou uma espécie de supercontinente. Ou seja, todos os continentes que temos hoje foram uma vez juntos formando um. Ele chamou aquele supercontinente Pangea. Devido às forças internas da Terra, Pangea se quebraria e se afastaria pedaço por pedaço. Após a passagem de milhões de anos, os continentes ocupariam a posição que ocupam hoje.

Provas e provas

arranjo de continentes em tempos passados

De acordo com essa teoria, no futuro, daqui a milhões de anos, os continentes se encontrarão novamente. O que tornou importante demonstrar essa teoria com provas e evidências.

Testes paleomagnéticos

A primeira evidência que os fez acreditar nele foi a explicação do paleomagnetismo. Campo magnético da terra nem sempre foi na mesma orientação. Cada certo tempo, o campo magnético inverteu. O que agora é o pólo sul magnético costumava ser o norte, e vice-versa. Isso é conhecido porque muitas rochas com alto teor de metal adquirem uma orientação em direção ao pólo magnético atual. Rochas magnéticas foram encontradas cujo pólo norte aponta para o pólo sul. Portanto, nos tempos antigos, deve ter sido o contrário.

Esse paleomagnetismo não pôde ser medido até a década de 1950. Embora fosse possível medir, resultados muito fracos foram obtidos. Ainda assim, a análise dessas medidas conseguiu determinar onde estavam os continentes. Você pode dizer isso observando a orientação e a idade das rochas. Desta forma, pode-se mostrar que todos os continentes já foram unidos.

Testes biológicos

Outro dos testes que intrigou mais de um foram os biológicos. Ambas as espécies animais e vegetais são encontradas em vários continentes. É impensável que espécies que não são migratórias possam se mover de um continente para outro. O que sugere que em algum momento eles estavam no mesmo continente. As espécies foram se dispersando com o passar do tempo, conforme os continentes se moviam.

Além disso, na África Ocidental e no leste da América do Sul são encontradas formações rochosas do mesmo tipo e idade.

Uma descoberta que levou a esses testes foi a descoberta de fósseis da mesma samambaia decídua na América do Sul, África do Sul, Antártica, Índia e Austrália. Como uma mesma espécie de samambaia pode ser de vários lugares diferentes? Concluiu-se que viviam juntos na Pangéia. Fósseis de répteis de Lystrosaurus também foram encontrados na África do Sul, Índia e Antártica, e fósseis de Mesosaurus no Brasil e na África do Sul.

Tanto a flora quanto a fauna pertenciam às mesmas áreas comuns que se distanciaram ao longo do tempo. Quando a distância entre os continentes era muito grande, cada espécie se adaptava às novas situações.

Testes geológicos

Já foi mencionado que as bordas do as plataformas continentais da África e da América se encaixam perfeitamente. E eles já foram um. Além disso, não têm apenas em comum a forma de quebra-cabeça, mas a continuidade das serras do continente sul-americano e africano. Hoje o Oceano Atlântico se encarrega de separar essas cadeias de montanhas.

Testes paleoclimáticos

O clima também ajudou na interpretação dessa teoria. Evidências do mesmo padrão erosivo foram encontradas em diferentes continentes. Atualmente, cada continente tem seu próprio regime de chuvas, ventos, temperaturas, etc. No entanto, quando todos os continentes formaram um, houve um clima unificado.

Além disso, os mesmos depósitos de moreias foram encontrados na África do Sul, América do Sul, Índia e Austrália.

Estágios da deriva continental

Teoria da deriva continental

A deriva continental vem ocorrendo ao longo da história do planeta. De acordo com a posição dos continentes no globo, a vida foi moldada de uma forma ou de outra. Isso fez com que a deriva continental tivesse etapas mais marcantes que marcam o início da formação dos continentes e, com ela, da novas formas de vida. Lembramos que os seres vivos precisam se adaptar ao meio ambiente e, dependendo das condições climáticas, a evolução é marcada por características diferentes.

Vamos analisar quais são as principais etapas da deriva continental:

  • Cerca de 1100 bilhão de anos atrás: a formação do primeiro supercontinente ocorreu no planeta chamado Rodinia. Ao contrário da crença popular, Pangea não foi o primeiro. Mesmo assim, não se descarta a possibilidade de existência de outros continentes anteriores, embora não haja evidências suficientes.
  • Cerca de 600 bilhão de anos atrás: Rodinia levou cerca de 150 milhões de anos para se fragmentar e um segundo supercontinente chamado Pannotia tomou forma. Teve uma duração menor, de apenas 60 milhões de anos.
  • Cerca de 540 milhões de anos atrás, Pannotia fragmentou-se em Gondwana e Proto-Laurasia.
  • Cerca de 500 bilhão de anos atrás: A Proto-Laurasia foi dividida em 3 novos continentes chamados Laurentia, Sibéria e Báltico. Desta forma, esta divisão gerou 2 novos oceanos conhecidos como Iapetus e Khanty.
  • Cerca de 485 bilhão de anos atrás: Avalonia separou-se de Gondwana (a terra correspondente aos Estados Unidos, Nova Escócia e Inglaterra. O Báltico, Laurentia e Avalonia colidiram para formar a Euramérica.
  • Cerca de 300 bilhão de anos atrás: havia apenas 2 grandes continentes. Por um lado, temos Pangea. existiu cerca de 225 milhões de anos atrás. Pangéia era a existência de um único supercontinente onde todos os seres vivos se espalhavam. Se olharmos para a escala de tempo geológica, vemos que este supercontinente existiu durante o período Permiano. Por outro lado, temos a Sibéria. Ambos os continentes foram rodeados pelo oceano Panthalassa, o único oceano presente.
  • Laurásia e Gondwana: Como resultado da separação da Pangéia, Laurásia e Gondwana foram formados. A Antártica também começou a se formar durante o período Triássico. Isso aconteceu há 200 milhões de anos e uma diferenciação das espécies de seres vivos começou a ocorrer.

Distribuição atual de coisas vivas

Embora uma vez separados os continentes, cada espécie tenha adquirido um novo ramo na evolução, existem espécies com as mesmas características em continentes diferentes. Essas análises apresentam semelhanças genéticas com espécies de outros continentes. A diferença entre eles é que evoluíram ao longo do tempo, encontrando-se em novos ambientes. Um exemplo disso é o caracol de jardim que foi encontrado na América do Norte e na Eurásia.

Com todas essas evidências, Wegener tentou defender sua teoria. Todos esses argumentos foram bastante convincentes para a comunidade científica. Ele realmente descobriu uma grande descoberta que permitiria um avanço na ciência.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   juan pablo dito

    Eu gosto, acho a teoria muito boa e acredito que a América e a África teriam se unido porque parece um quebra-cabeça. 🙂