Anéis de saturno

Anéis de saturno

Saturno é um dos planetas que pertence ao sistema solar e está dentro do grupo dos planetas gasosos. Destaca-se por ter anéis e é um dos dois maiores e mais famosos planetas do nosso sistema solar. Pode ser facilmente visto do solo graças ao Anéis de saturno.

Neste artigo, vamos contar tudo o que você precisa saber sobre os anéis de Saturno, como foram formados e quais são suas características.

O planeta com anéis

importância dos asteróides

Saturno é um planeta especial. Para os cientistas, é considerado um dos planetas mais interessantes para compreender todo o sistema solar. É interessante notar que tem uma densidade muito menor do que a água e é composto inteiramente de hidrogênio, com uma pequena quantidade de hélio e metano.

Pertence à categoria dos planetas gigantes gasosos e tem uma cor bastante peculiar que o torna único. É um pouco amarelado, onde se combinam pequenas faixas de outras cores. Muitas pessoas confundem isso com Júpiter, mas não têm nenhum relacionamento. Eles são claramente distinguidos pelo anel. Os cientistas presumem que seus anéis são feitos de água, mas são sólidos como icebergs, icebergs ou algumas bolas de neve, especialmente em combinação com certos tipos de poeira química.

Luas

características dos asteróides

Dentre todas essas características fascinantes que fazem de Saturno um planeta tão interessante, devemos destacar também as luas que o compõem. Até agora, 18 satélites foram reconhecidos e nomeados por físicos especialistas na área. Isso dá ao planeta maior relevância e versatilidade. Para melhor entendê-los, listaremos alguns deles.

Os mais famosos são os chamados Hyperion e Iapetus, que são compostos inteiramente de água por dentro, mas são tão fortes que presume-se, respectivamente, que estejam basicamente congelados ou existam na forma de gelo. Saturno possui satélites internos e externos. Dentre as estruturas internas, a mais importante é a estrutura interna onde se localizam as órbitas denominadas Titãs. É uma das maiores luas de Saturno, embora seja cercada por uma densa névoa laranja, não é fácil de ver.

Saturno possui satélites internos e externos. Dentre as estruturas internas, a mais importante é a estrutura interna onde se localizam as órbitas denominadas Titãs. É uma das maiores luas de Saturno, embora seja cercada por uma densa névoa laranja, não é fácil de ver. O satélite Titan é um dos satélites basicamente composto quase inteiramente de nitrogênio.

O interior deste satélite é composto por rochas compostas por elementos químicos como hidróxido de carbono e metano, que são semelhantes aos planetas comuns. A quantidade costuma ser a mesma, no máximo dirão, mesmo que o tamanho seja o mesmo.

Anéis de saturno

anéis de saturno, o planeta gasoso

O sistema de anéis de Saturno é principalmente composto de água gelada e rochas caindo de vários tamanhos. Eles são divididos em dois grupos, separados pela "Divisão Cassini": anel A (externo) e anel B (interno), de acordo com sua proximidade com a superfície do planeta.

O nome da divisão vem de seu descobridor, Giovanni Cassini, um astrônomo franco-italiano naturalizado que descobriu uma separação de 4.800 quilômetros de largura em 1675. O Grupo B consiste em centenas de anéis, alguns dos quais têm formas elípticas que mostram mudanças na densidade das ondas devido à interação gravitacional entre os anéis e o satélite.

Além disso, existem algumas estruturas escuras chamadas "cunhas radiais" que giram ao redor do planeta em uma velocidade diferente do resto do material do anel (seu movimento é controlado pelo campo magnético do planeta).

A origem das cunhas radiais ainda é desconhecida e pode aparecer e desaparecer estaticamente. De acordo com dados obtidos pela expedição da sonda Cassini em 2005, existe uma atmosfera ao redor do anel, composta principalmente de oxigênio molecular. Até 2015, as teorias sobre como os anéis de Saturno eram produzidos não podiam explicar a existência de minúsculas partículas de gelo.

A cientista Robin Canup publicou sua teoria de que durante o nascimento do sistema solar, um satélite de Saturno (composto de gelo e um núcleo de rocha) afundou na terra e causou uma colisão. Como resultado, enormes fragmentos foram ejetados para formar um halo ou anel de várias partículas, que continuaram a colidir umas com as outras conforme se alinhavam na órbita do planeta, até que produziram os grandes anéis que são conhecidos hoje.

Explorando os anéis de Saturno

Em 1850, o astrônomo Edouard Roche estudou a influência da gravidade planetária em seus satélites e calculou que qualquer matéria localizada abaixo de 2,44 vezes o raio do planeta não poderia se aglutinar para formar um objeto e se já fosse um objeto, se fragmentaria. O anel interno C de Saturno é 1,28 vezes o raio e o anel externo A é 2,27 vezes o raio. Ambos estão dentro dos limites da Roche, mas suas origens ainda não foram determinadas. Com o material que eles contêm, uma esfera de tamanho semelhante ao da lua pode ser formada.

A estrutura fina do anel foi originalmente atribuída à gravidade dos satélites próximos e à força centrífuga gerada pela rotação de Saturno. No entanto, a sonda Voyager encontrou estruturas escuras que não poderiam ser explicadas desta forma. Essas estruturas giram no anel na mesma velocidade que a magnetosfera do planeta, para que possam interagir com seu campo magnético.

As partículas que compõem os anéis de Saturno variam em tamanho, desde pedaços microscópicos a grandes pedaços semelhantes a casas. Com o tempo, eles coletarão os restos de cometas e asteróides. Muito do material que os forma é gelo. Se forem muito antigos, ficarão pretos devido ao acúmulo de poeira. O fato de serem brilhantes mostra que são jovens.

Em 2006, a espaçonave Cassini descobriu um novo anel enquanto viaja na sombra de Saturno no lado oposto do sol. A ocultação solar torna possível detectar partículas que normalmente não são visíveis. O anel entre F e G coincide com as órbitas de Jano e Epimeteu, e esses dois satélites quase compartilham suas órbitas e as trocam regularmente. Talvez os meteoros que colidem com esses satélites produzam partículas formadoras de anéis.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre os anéis de Saturno e suas características.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Um comentário deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Cessar dito

    Estou repleto de alegria e novos conhecimentos com este tópico relevante de nosso universo infinito, espero que você continue a nos enriquecer com esse conhecimento útil.