A Lua sofreu uma virada global do manto e hoje está de cabeça para baixo

lua cheia

O satélite natural da Terra, comumente conhecido como Lua, segue uma trajetória elíptica ao redor do nosso planeta a uma velocidade de 3.680 quilômetros por hora, de acordo com a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço, ou NASA. Na falta de atmosfera, a Lua sofre flutuações extremas de temperatura, variando de -184 graus Celsius durante a fase noturna a escaldantes 214 graus Celsius quando iluminada pelo sol. Há estudos que sugerem que a Lua sofreu uma inversão global do manto e hoje está de cabeça para baixo.

Neste artigo vamos contar quais estudos sugerem que Lua sofreu uma virada global do manto e hoje está de cabeça para baixo e suas implicações no futuro.

Conhecimento sobre a lua

volta da lua

De todos os objetos celestes do universo, o nosso conhecimento da Lua supera o de qualquer outro. Entre as muitas investigações realizadas até agora, algumas descobertas são mais importantes que outras, incluindo a descoberta de uma cratera cheia de gelo no lado escuro da Lua.

Numa publicação recente na revista científica Nature, surgiu uma revelação surpreendente de que a Lua passou por uma transformação significativa, ficando “de cabeça para baixo”.

Especialistas renomados observaram uma transformação aparentemente comum que, após um exame mais detalhado, revelou sua instabilidade gravitacional, o que causou uma reviravolta significativa no manto e o acúmulo de ilmenita que afundou em seu interior.

Embora haja certeza em torno deste conhecimento, as evidências permanecem apenas geoquímicas, portanto são necessárias evidências físicas para validar a hipótese que já parece ser uma realidade completa, considerando a agitação do manto.

Segundo os cientistas, a referida interpretação do tombamento da Lua é apoiada pela semelhança entre o padrão observado, a magnitude e as dimensões das anomalias gravitacionais, bem como a presença de ilmenita acumulada.

De acordo com a National Geographic, os especialistas Weigang Liang e Adrien Broquet corroboraram descobertas publicadas anteriormente pela revista Nature, fornecendo evidências tangíveis ao integrar inversões gravitacionais e modelos geodinâmicos. Porém, Seu argumento afirma que antes da presença de mares lunares como Serenitatis e Humorum, a Lua experimentou um fenômeno peculiar no qual parecia estar “de cabeça para baixo”.

A lua virou e hoje está de cabeça para baixo

lua cheia

Existem inúmeras hipóteses sobre a origem da Lua, mas a teoria predominante sugere que o nosso satélite natural foi formado a partir de um corpo celeste semelhante em tamanho a Marte há milhões de anos.

Após uma colisão com o nosso planeta, um objeto estranho expeliu uma parte importante de sua composição, deixando o material expelido suspenso no espaço, circundando a Terra. Com o tempo, Essas rochas dispersas gradualmente se fundiram e eventualmente formaram o que hoje conhecemos como Lua.

Segundo a UNAM Gazette, uma rocha da Terra foi lançada ao espaço após uma colisão com um grande meteorito, revelando a existência de um portal entre as formações rochosas da Lua.

Todos os tópicos discutidos hoje têm imensa importância na história lunar, ampliando consequentemente a nossa compreensão do nosso vizinho celestial, a Lua. Um tema de particular interesse é a existência de um vasto depósito de rocha fundida.

Como aconteceu a virada

A lua virou e hoje está de cabeça para baixo

A Lua, entidade celestial quee surgiu há aproximadamente 4.500 bilhões de anos, deve sua existência a um evento cataclísmico no cosmos. Este evento envolveu uma colisão colossal entre a Terra e um protoplaneta semelhante em tamanho a Marte, resultando na ejeção de detritos que eventualmente se fundiram para formar a Lua. Contudo, este evento inicial foi simplesmente o início de uma sequência de transformações geológicas extraordinárias. Com o passar do tempo, a jovem Lua foi engolfada por um vasto oceano de rocha derretida, que gradualmente se solidificou no manto e na crosta lunar.

Mas a história não terminou com o arrefecimento do magma. Densas camadas de ilmenita, um mineral rico em titânio, formaram-se no topo de camadas menos densas nas profundezas da Lua. Este arranjo era gravitacionalmente precário e acabou resultando em um fenômeno conhecido como "reviravolta global do manto", que causou o colapso das acumulações de ilmenita no interior lunar.

Especialistas como Weigang Liang e Adrien Broquet contribuíram para um estudo que apresenta evidências empíricas convincentes deste fenómeno. Ao integrar reversões gravitacionais e modelos geodinâmicos, os cientistas vincularam com sucesso anomalias gravitacionais lineares na área dos mares lunares com os restos de acumulações de ilmenita que ocorreram após o evento de reversão.

As peculiaridades observadas não são esquisitices insignificantes, mas sim formam um arranjo geométrico preciso que se alinha perfeitamente com os padrões projetados para os restos de ilmenita. Detectando esses desvios sutis no campo gravitacional da Lua foi possível graças à missão GRAIL da NASA, que orbitou incansavelmente o nosso vizinho celestial de 2011 a 2012.

Ao analisar os dados, os investigadores não só obtiveram uma compreensão mais precisa de como os componentes internos da Lua estão distribuídos, como também determinaram a sequência cronológica destes eventos. Acredita-se que a camada de ilmenita tenha se assentado antes da formação das bacias Serenitatis e Humorum, indicando que este evento provavelmente precedeu e potencialmente ajudou a atividade vulcânica atualmente evidente na superfície lunar.

Possíveis implicações e áreas para exploração futura

A descoberta da inversão do manto lunar tem implicações importantes para a compreensão do desenvolvimento geológico da Lua. Além disso, este fenómeno tem o potencial de fornecer novos insights sobre outras entidades celestes que partilham atributos comparáveis.

Esta pesquisa específica destaca a importância das missões espaciais e da cooperação global na exploração espacial, pois fornece informações vitais que não só melhora a nossa compreensão do cosmos, mas também aprofunda a nossa intriga de longa data com o nosso satélite.

A investigação em curso sobre a Lua desafia constantemente as nossas noções preconcebidas e melhora a nossa compreensão do universo. A cada nova descoberta, estamos mais perto de desvendar os enigmas do espaço exterior, demonstrando que mesmo o nosso corpo celeste vizinho, a Lua, contém uma infinidade de narrativas não contadas.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre a rotação da lua e suas características.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.