A busca por buracos brancos: o grande desafio da astronomia moderna

O que é um buraco branco

A maioria das pessoas tem uma ideia básica da noção de buraco negro: uma distorção extraordinária na estrutura do espaço e do tempo que consome perpetuamente qualquer substância tola o suficiente para se aproximar de sua vizinhança. A atração gravitacional irresistível de um buraco negro é tão imensa que nem mesmo a luz pode ser libertada, tornando estes fenómenos cósmicos completamente não iluminados e apenas observáveis ​​através do seu impacto na matéria próxima. Neste caso, os cientistas estão em busca do buracos brancos.

Neste artigo vamos contar tudo o que você precisa saber sobre a busca por buracos brancos e o que se sabe sobre isso.

O que é um buraco branco e como ele se forma?

buracos brancos

A teoria científica que previu com precisão a presença de buracos negros também postula a existência de buracos brancos, que são essencialmente a antítese dos buracos negros. O buracos negros têm um apetite insaciável por matéria e energia, enquanto os buracos brancos (em teoria) Eles constantemente emitem energia para o cosmos. Acredita-se que assim como nada pode escapar das garras de um buraco negro, nada deveria ser capaz de entrar em um buraco branco.

Para ser mais claro, um buraco branco pode ser percebido como um buraco negro que inverte o seu curso no tempo. Os buracos brancos compartilhariam certas características com os buracos negros, incluindo massa, momento angular ou “spin” e carga elétrica.

Como buracos negros, Os buracos brancos têm massa e a capacidade de atrair matéria para eles, pelo menos inicialmente. No entanto, existe uma distinção fundamental na forma como a matéria e a luz interagem com o horizonte de eventos destes dois fenómenos cósmicos. Embora os objetos que cruzam o horizonte de eventos de um buraco negro não possam alcançar o "horizonte anti-eventos" de um buraco branco, é possível que a matéria que se aproxima do horizonte anti-eventos de um buraco branco seja ejetada com força.

Diferenças entre buracos pretos e brancos

buracos negros

Buracos negros e buracos brancos diferem principalmente na forma como se formam. A investigação realizada por J. Robert Oppenheimer e a sua equipa permitiu-nos compreender que quando uma estrela massiva chega ao fim da sua vida através da queima de combustível nuclear, sofre um colapso gravitacional. Este colapso resulta nas camadas externas de A estrela se estilhaça em uma explosão de supernova, enquanto o núcleo entra em colapso e dá origem a um buraco negro.

No cenário hipotético em que a dor insuportável pudesse ser revertida, desafiando todos os princípios de causalidade, ela não se manifestaria como um buraco branco, como postulam os modelos matemáticos de Kruskal ou Novikov. Em vez disso, este mecanismo de retrocesso cósmico simplesmente nos transportaria de volta a uma estrela moribunda.

De acordo com o nosso conhecimento atual, Não existe nenhum processo físico conhecido no universo que possa dar origem a um buraco branco.

A teoria da relatividade e buracos brancos

diferenças entre buraco preto e branco

A previsão de buracos brancos é um resultado direto da teoria da relatividade geral. Antes de nos aprofundarmos no tema dos buracos brancos, devemos primeiro considerar a contribuição monumental da teoria da gravidade de Albert Einstein, a relatividade geral.

A inovadora teoria da gravidade de Einstein, conhecida como relatividade geral, estreou em 1915 e criou polêmica entre os físicos. Antes disso, a descrição da gravidade de Isaac Newton tinha sido a explicação predominante, funcionando eficazmente numa escala menor, mas falhando consistentemente quando confrontada com as complexidades da física numa magnitude maior.

A principal distinção entre a compreensão da gravidade de Einstein e Newton reside na sua conceituação do papel do espaço e do tempo. Embora Newton os visse como meros cenários para o desenrolar de eventos universais, A relatividade geral propôs que o “espaço-tempo” é uma entidade dinâmica ativamente envolvida na formação da narrativa cósmica.

A razão por trás deste fenômeno está enraizada nos princípios da relatividade geral, que propõem que quando um objeto com massa para no espaço-tempo, induz uma distorção na estrutura do próprio espaço-tempo. A magnitude desta distorção é diretamente proporcional à massa do objeto, e é dessa distorção que surge a gravidade. É por isso que a atração gravitacional do Sol é mais forte que a da Terra. A distorção do espaço-tempo pelo Sol é mais pronunciada. Em consequência, Esta distorção serve como um guia para a energia e a matéria, ditando o seu movimento dentro do reino do espaço.

Buracos brancos e a teoria do multiverso

Se existe de facto um multiverso composto por múltiplos universos, a falta de buracos brancos no nosso próprio universo sugere a possibilidade de um universo composto apenas por buracos brancos, onde os buracos negros estão completamente ausentes.

A razão para este fenômeno pode ser devido ao fato de que o tempo opera como um sistema unidirecional dentro de cada universo individual do multiverso. Em nosso próprio universo, O tempo avança exclusivamente, com um futuro infinito, o que consequentemente evita a formação de buracos brancos. Pelo contrário, no multiverso paralelo o tempo move-se exclusivamente ao contrário, com um passado infinito, proibindo assim a existência de buracos negros mas permitindo a presença de buracos brancos.

Podemos observar buracos brancos?

A enigmática matéria escura que permeia o universo pode ter origem em buracos brancos, segundo o físico teórico Carlo Rovelli. Por meio de cálculos, Rovelli determinou que um único pequeno buraco branco por 10.000 mil quilômetros cúbicos, significativamente menor que um próton e pesando apenas um milionésimo de grama, equivalente à massa de um fio de cabelo humano de 12 cm, poderia explicar a presença de partículas escuras. matéria dentro do ambiente galáctico do nosso Sol. Estes buracos brancos invisíveis, que não emitem radiação, permaneceriam indetectáveis ​​devido ao seu tamanho infinitesimal. Rovelli explica que se um próton colidisse com um desses buracos brancos, ele simplesmente ricochetearia, já que Eles não têm capacidade de consumir nada.

Espero que com essas informações você possa aprender mais sobre a possível existência de buracos brancos e suas características.


Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.